Go Back   Wolfdog.org forum > Portugues > Nutrição e saúde

Nutrição e saúde Informações sobre saúde, alimentação, vacinação...

Reply
 
Thread Tools Display Modes
Old 21-03-2009, 21:31   #1
Nebulosa
Moderator
 
Nebulosa's Avatar
 
Join Date: Oct 2004
Location: Rio Grande do Sul
Posts: 1,332
Send a message via ICQ to Nebulosa Send a message via MSN to Nebulosa Send a message via Skype™ to Nebulosa
Default Leishmaniose chega ao Rio Grande do Sul

Leishmaniose em 3 pessoas e 77 cães deixa São Borja (RS) em situação de emergência

O município de São Borja (a 602 km de Porto Alegre) decretou situação de emergência nesta segunda-feira (16) depois de registrar o terceiro caso de leishmaniose --doença crônica que ataca principalmente cães, é transmissível ao homem e pode ser fatal se não for tratada-- nesta sexta (13).

De acordo com a prefeitura, também foram registrados 77 cães contaminados com a doença. As três pessoas recebem tratamento num hospital do município.

Nesta quinta-feira (19), uma equipe conjunta do Ministério de Saúde e governo do Estado chega ao município para capacitar os médicos, enfermeiros e agentes de saúde da cidade.

Segundo vice-prefeito Jefferson Homrich, o decreto de situação de emergência permite ações imediatas no combate da doença.

"Isso possibilita o município direcionar recursos sem burocracia, como contratar veterinários e comprar medicamentos, para uma ação imediata no combate da doença", disse.

De acordo com Homrich, os 77 cães serão sacrificados numa parceria com o Exército. Apesar de a leishmaniose ser uma doença que existe em outros locais do mundo, como Europa e Estados Unidos, o Brasil é o único país em que o sacrifício dos animais é obrigatório.

O governo do Estado liberou R$ 240 mil em recursos para a construção de um canil municipal.

Fronteiras

Em um encontro realizado no último dia 5 em São Borja, médicos e pesquisadores do Estado do Rio Grande do Sul, das províncias argentinas de Misiones e Corrientes e do município uruguaio de Artigas estabeleceram um acordo de combate de doenças e troca de informações sobre os focos de dengue, febre amarela e leishmaniose.

A intenção agora é seguir "estratégias comuns" de prevenção e tratamento das enfermidades.

Quote:
Originally Posted by Lei
Proíbe o tratamento de leishmaniose visceral canina com produtos de uso humano ou não registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE E O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhes confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e Considerando o Decreto-Lei Nº 51.838, de 14 de março de 1963, que dispõe sobre as normas técnicas especiais para o combate as leishmanioses no País;

Considerando o Decreto-Lei Nº 467, de 13 de fevereiro de 1969, que dispõe sobre a fiscalização de produtos de uso veterinário, dos estabelecimentos que os fabricam e dá outras providências.

Considerando o Decreto Nº 5.053, de 22 de abril de 2004, que aprova o regulamento de fiscalização de produtos de uso veterinário e dos estabelecimentos que os fabriquem ou comerciem, e dá outras providências;

Considerando a Lei Nº 6.437, de 20 de agosto de 1977, que dispõe sobre infrações à legislação sanitária federal, estabelecendo as sanções;

Considerando a Lei Nº 6.259, de 30 de outubro de 1975, que dispõe sobre as ações de vigilância epidemiológica;

Considerando a Resolução Nº 722, de 16 de agosto de 2002, que aprova o Código de Ética do Médico Veterinário e que revogou a Resolução Nº 322, de 15 de janeiro de 1981;

Considerando o Informe Final da Consulta de expertos, Organização Pan-Americana da Saúde (OPS) Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre Leishmaniose Visceral em Las Américas, de 23 a 25 de novembro de 2005;

Considerando o Relatório Final do Fórum de Leishmaniose Visceral Canina, de 9 a 10 de agosto de 2007;

Considerando as normas do "Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral" do Ministério da Saúde;

Considerando que não há, até o momento, nenhum fármaco ou esquema terapêutico que garanta a eficácia do tratamento canino, bem como a redução do risco de transmissão;

Considerando a existência de risco de cães em tratamento manterem-se como reservatórios e fonte de infecção para o vetor e que não há evidências científicas da redução ou interrupção da transmissão;

Considerando a existência de risco de indução a seleção de cepas resistentes aos medicamentos disponíveis para o tratamento das leishmanioses em seres humanos; e

Considerando que não existem medidas de eficácia comprovada que garantam a não-infectividade do cão em tratamento, resolvem:

Art. 1º Proibir, em todo o território nacional, o tratamento da leishmaniose visceral em cães infectados ou doentes, com produtos de uso humano ou produtos não-registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Art. 2º Definir, para efeitos desta Portaria, os seguintes termos:

I - risco à saúde humana: probabilidade de um indivíduo vir a desenvolver um evento deletério de saúde (doença, morte ou seqüelas), em um determinado período de tempo;

II - caso canino confirmado de leishmaniose visceral por critério laboratorial: cão com manifestações clínicas compatíveis com leishmaniose visceral e que apresente teste sorológico reagente ou exame parasitológico positivo;

III - caso canino confirmado de leishmaniose visceral por critério clínico-epidemiológico: todo cão proveniente de áreas endêmicas ou onde esteja ocorrendo surto e que apresente quadro clínico compatível de leishmaniose visceral, sem a confirmação do diagnóstico laboratorial;

IV - cão infectado: todo cão assintomático com sorologia reagente ou parasitológico positivo em município com transmissão confirmada, ou procedente de área endêmica. Em áreas sem transmissão de leishmaniose visceral é necessária a confirmação parasitológica; e

V - reservatório canino: animal com exame laboratorial parasitológico positivo ou sorologia reagente, independentemente de apresentar ou não quadro clínico aparente.

Art. 3º Para a obtenção do registro, no MAPA, de produto de uso veterinário para tratamento de leishmaniose visceral canina, o interessado deverá observar, além dos previstos na legislação vigente, os seguintes requisitos:

I - realização de ensaios clínicos controlados, após a autorização do MAPA; e

II - aprovação do relatório de conclusão dos ensaios clínicos mediante nota técnica conjunta elaborada pelo MAPA e o Ministério da Saúde (MS).

§ 1º O pedido de autorização para realização de ensaios clínicos controlados deve estar acompanhado do seu Protocolo.

§ 2º Os ensaios clínicos controlados devem utilizar, preferencialmente, drogas não destinadas ao tratamento de seres humanos.

§ 3º A autorização do MAPA vincula-se à nota técnica conjunta elaborada pelo MAPA e o MS.

Art. 4º A importação de matérias-primas para pesquisa, desenvolvimento ou fabricação de medicamentos para tratamento de leishmaniose visceral canina deverá ser solicitada previamente ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, devendo a mesma estar acompanhada do protocolo de estudo e respectivas notas do artigo anterior.

Art. 5º Ao infrator das disposições desta Portaria aplica-se:

I - quando for médico veterinário, as infrações e penalidades do Código de Ética Profissional do Médico Veterinário;

II - o art. 268 do Código Penal; e

III - as infrações e penalidades previstas na Lei Nº 6.437, de 20 de agosto de 1977, e no Decreto-Lei Nº 467, de 13 de fevereiro de 1969.

Art. 6º O MS e o MAPA deverão adotar as medidas necessárias ao cumprimento efetivo do disposto nesta Portaria.

Art. 7º As omissões e dúvidas por parte dos agentes públicos cujas funções estejam direta ou indiretamente relacionadas às ações de controle da leishmaniose visceral, na aplicação do disposto nesta Portaria serão apreciadas e dirimidas pela Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS/MS) e pela Secretaria de Defesa Agropecuária

(SDA/ MAPA).

Art. 8º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
As recomendações são as seguintes:

- Coleira repelente: mas não deve dar banho nos animais semanalmente, porque há perda de eficácia;
- Spray de citronela duas vezes ao dia;
- Remoção das fezes e matéria orgânica de maneira rigorosa: o vetor NÃO se desenvolve em água (por isso não deve ser chamado de mosquito), mas SIM em matéria orgânica;
- Devem-se telar os canis (há telas específicas): o vetor mede de 1 a 3mm. É minúsculo!
- Vacinação: antes disso, precisará fazer uma sorologia (exame de leishmaniose), se for negativo, tem um prazo de 15 dias para iniciar o protocolo vacinal. O proprietário receberá um atestado de vacinação, porque o animal será positivo em alguns métodos sorológicos.

Obs1: NENHUMA forma de prevenção exclui a necessidade da outra. TODAS são importantes.


Abaixo um link bem interessante para uma cartilha com informações sobre a Leishmaniose feita pela ProAnima

http://www.proanima.org.br/arquivos/...a-leishmaniose

-----------------

A pouco tempo atrás diziam não existir problemas com essa doença em São Paulo, Parana, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, como se existisse uma "mágica" barreira "invisivel" para nós, mas visivel aos mosquitos que impedia que eles passassem dos estados onde ela é endemica como Minas Gerais para São Paulo, por exemplo.
Obviamente muitos proprietários nunca acreditaram nessa informação, e desde que o problema começou no estado vizinho eles fazem a prevenção, porém, a informação a acerca desta doença é pouca quando estamos falando dos estados onde a Leishmaniose não é endemica.
Infelizmente nosso governo optou por uma medida de prevenção completamente ineficaz e cruel, porém mais fácil e barata que é obrigando o sacrificio dos cães que foram positivos para esta doença.
Todos sabemos a seriedade da Leishamniose em humanos e pior ainda, nos cães, onde a cura é possivel porém realmente dificil de acontecer quando o animal é tratado. Para quem não sabe o tratamento para a leishmaniose, agora proibido pelo governo, é praticamente uma quimioterapia e só pode ser feito se o animal tiver os rins em plena forma, visto que os remedios massacram os rins.
Infelizmente o problema não é novidade, porém, apenas agora que temos algo mais sério, afetando pessoas, é que ele está sendo publicado e que o governo está tomando alguma medida, mesmo que absurda, na região sul.
Não acredito que o frio definitivamente mate os mosquitos, mas tenho a certeza absoluta de que diminui bastante o problema, e é por isso que o estado do Rio grande do Sul ficava meio que "a salvo" dessas epidemias dependentes de mosquitos quando chega o inverno, como Dengue, Leishmaniose e Febre Amarela, mas nos ultimos anos o verão meio que se "estendeu" demais assim como aparentemente não tivemos frio tempo suficiente para isso.
Aos proprietários, não descuidem-se, mesmo que ainda não tenha casos publicados da doença em sua cidade ou nas proximidades dela, já façam a prevenção, não ter casos publicados não significa a inexistência de casos da doença, previnam antes que seja tarde de mais.
__________________
http://www.wolfdog.org/forum/signaturepics/sigpic1100_1.gif
Nebulosa jest offline   Reply With Quote
Old 03-12-2009, 00:43   #2
Nebulosa
Moderator
 
Nebulosa's Avatar
 
Join Date: Oct 2004
Location: Rio Grande do Sul
Posts: 1,332
Send a message via ICQ to Nebulosa Send a message via MSN to Nebulosa Send a message via Skype™ to Nebulosa
Default

Quote:
----- Original Message -----
From: Luiz Eugênio de Miranda Sá
To: Tribuna Animal
Sent: Sunday, September 16, 2007 10:11 AM
Subject: FW: Substituto da Scalibur - Recomendação Técnica

From: André Luis Soares da Fonseca
Subject: Substituto da Scalibur - Recomendação Técnica
Date: Fri, 14 Sep 2007 17:15:36 -0300

Pessoal:

Para quem não tem dinheiro ou não quer comprar a coleira Scalibur (contra o mosquito da Leishmaniose), recomendamos um outro produto que pode ser utilizado como os mesmos resultados.

O produto que substitui a coleira se chama Cyperpour-on e 1 litro custa 10 reais.
É um piretróide (cipermetrina) da mesma família do princípio ativo da coleira (deltametrina), oleoso, e que permanece no pêlo dos animais por mais de 1 mês. Repele e mata mosquitos, carrapatos, sarnas, piolhos e pulgas (é um inseticida).

Aplica-se da seguinte forma:

Para cães até 10 kilos = 1 ml
de 10 a 20 kilos = 2 ml
20 a 30 = 3 ml
30 a 40 = 4 ml

Aplicar SOBRE O PELO (como se fosse um gel), sendo que parte é aplicado na ponta das orelhas e focinho (local onde o mosquito pica) e o restante na
nuca e sobre as cadeiras do cachorro.

Possui toxicidade como o princípio ativo da coleira contra Leihsmaniose e não deve ser aplicado sob o sol.

Deve-se aplicar pelo menos 1 vez por mês ou depois de cada banho. Para um cão de até 10 quilos, o produto renderá para 83 anos ...
Consegui encontrar esse produto em Porto Alegre em uma gropecuaria, ainda não tenho como falar sobre a durabilidade pois apliquei faz pouco tempo, mas posso dizer que realmente funciona, repele moscas e mosquitos entre outros insetos nada agradaveis.
Apenas deve-se MESMO tomar cuidado para não aplicar sob a pele, mas nos pêlos.
__________________
http://www.wolfdog.org/forum/signaturepics/sigpic1100_1.gif
Nebulosa jest offline   Reply With Quote
Reply

Thread Tools
Display Modes

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off

Forum Jump


All times are GMT +2. The time now is 14:09.


Powered by vBulletin® Version 3.8.1
Copyright ©2000 - 2020, Jelsoft Enterprises Ltd.
(c) Wolfdog.org